APRENDENDO COM UMA POUPADORA PROFISSIONAL

APRENDENDO COM UMA POUPADORA PROFISSIONAL

Nathalia Arcuri, ou Nath, se define como “poupadora por opção, jornalista por profissão e especialista em finanças pessoais por vocação”. Aos sete anos começou a guardar o dinheiro do lanche para comprar um carro quando chegasse aos 18. Quando começou a entender mais do mundo das finanças, passou a investir. Aos 32 anos, acumulou o seu primeiro milhão. Trocou a vida de repórter para se dedicar ao trabalho de consultora financeira e ao canal do YouTube Me Poupe!, que está perto de bater a marca de 2 milhões de inscritos e faz sucesso graças ao jeito irreverente e descomplicado que aborda temas relacionados ao universo financeiro.

O propósito de Nathalia é claro: ajudar as pessoas a enriquecerem para, assim, conquistarem a liberdade. E tudo isso de forma divertida. Recentemente, sua história e suas principais dicas transformaram-se no seu primeiro livro, o Me poupe!, que teve dois mil exemplares vendidos nas primeiras 48 horas. Em entrevista exclusiva à LER&CIA, a autora Nathalia Arcuri fala sobre a importância da educação financeira e do planejamento para organizar a vida na área das finanças e viver com mais tranquilidade.

Aos seis anos de idade já dá para começar com a semanada: um valor semanal dentro das possibilidades da família. É importante que os pais deixem claro a utilização correta desse dinheiro: realizar desejos que não estejam nos planos ‘oficiais’ da família.

LER&CIA | Como definir o conceito “educação financeira”?

Nathalia Arcuri | Educação financeira é o conhecimento básico necessário para compreender as melhores maneiras de utilizar os dois recursos mais escassos nos dias de hoje: tempo e dinheiro.

As famílias estão mais preocupadas hoje com ensinar os filhos a se relacionarem melhor com o dinheiro do que anos (ou décadas) atrás?

Acredito que não. Infelizmente a nossa sociedade passa hoje por uma descrença generalizada no futuro e nas instituições. Os pais, que não foram educados financeiramente, têm dificuldade em instruir seus filhos. No Me poupe! trabalhamos diariamente para combater essa realidade e despertar o interesse pelo tema.

Qual a idade para começar a ensinar sobre finanças para crianças?

Quanto mais cedo as crianças aprenderem sobre finanças, melhor. O momento em que a criança começa a ser alfabetizada é uma boa oportunidade para introduzir, aos poucos, conceitos importantes, como o valor do dinheiro e a relevância de planejar os sonhos de consumo. Aos seis anos de idade já dá para começar com a semanada: um valor semanal dentro das possibilidades da família. É importante que os pais deixem claro a utilização correta desse dinheiro: realizar desejos que não estejam nos planos “oficiais” da família. Após os 10 anos já é possível substituir a semanada pela mesada. É imprescindível que os pais sigam o combinado e, em hipótese alguma, cubram “rombos” ou ofereçam presentes fora de hora. O “não” é uma lição de amor e será muito mais válida ao futuro dos pequenos, que aprenderão desde cedo a controlar melhor o dinheiro.

Um adulto que não teve educação financeira pode começar nesse mundo?

Tendo curiosidade e buscando informações gratuitas na internet. Tudo o que é preciso saber sobre finanças está disponível na rede. O Me poupe! é 100% gratuito e foi feito para simplificar a linguagem, antes restrita aos economistas e entendedores do mercado financeiro.

Como o planejamento financeiro pode melhorar a vida?

Algumas pesquisas apontam o endividamento como a causa de diversas doenças, com hipertensão, dor nas costas, cefaleia, depressão etc, provocadas pelo estresse. O planejamento financeiro salva vidas. Literalmente.

Cuidar das finanças é sinônimo de não poder gastar nada?

Cuidar das finanças é você saber com o quê e quanto está gastando, se esse valor está dentro do planejamento e que tipo de impacto terá sobre sua vida. Vivemos em um regime capitalista. Logo, é necessário aprender as regras do jogo para jogá-lo para vencer. Todo planejamento financeiro é feito para gastar dinheiro, porém, da forma mais inteligente possível.

Cuidar das finanças é você saber com o quê e quanto está gastando, se esse valor está dentro do planejamento e que tipo de impacto terá sobre sua vida.

Vivendo em uma sociedade cada vez mais imediatista, como lidar com os impulsos e aprender a ter paciência quando o assunto é compras?

QUE ME PRE PO DE: essa é a melhor fórmula para não cair em tentação. Eu QUEro? Eu MEreço? Eu PREciso? Eu POsso? Eu DEvo? Antes de comprar qualquer coisa, pergunte-se essas 5 questões. Se a resposta for “não” a pelo menos uma delas, não compre.

Recentemente, você também lançou o livro Me poupe!. O que leitor pode encontrar na obra?

No livro é possível encontrar 10 passos simples e práticos para colocar a vida financeira em ordem e compreender porque não basta apenas ter vontade de juntar dinheiro. É preciso ter as ferramentas necessárias para multiplicar o dinheiro, e o livro oferece todas elas.

Por que acha que suas dicas e vídeos fazem tanto sucesso? O brasileiro é ávido por esse tipo de informação?

O maior diferencial do Me poupe! é a forma como o conteúdo é passado. As pessoas sempre viram os assuntos relacionados a finanças serem abordados de forma maçante, com uma linguagem complexa, que dificultava o entendimento. Por isso, eu busco usar uma linguagem simples, leve e de impacto, para que o público leigo sinta o desejo de aprender e aplicar as dicas (e o dinheiro) cada vez mais.

Qual a primeira dica para quem quer começar a poupar?

Colocar as metas no papel e fazer uma análise minuciosa da situação atual.

nathalia-arcuri-2

A partir da análise do extrato bancário e do cartão de crédito, avalie quais gastos podem ser reduzidos e crie uma estratégia para cada um deles.

Como cortar gastos?

A partir da análise do extrato bancário e do cartão de crédito, avalie quais gastos podem ser reduzidos e crie uma estratégia para cada um deles.

Como se livrar das dívidas?

Parando de fazer novas dívidas e diminuindo drasticamente o seu padrão de vida. Com a questão “dívidas” solucionada, aí sim, é hora de começar a investir e enriquecer.

O QUE A NATH DIZ SOBRE:

ALUGUEL X FINANCIAMENTO
Alugar é melhor do que comprar um imóvel financiado, principalmente se o imóvel estiver na planta. Segundo um cálculo feito pela autora, com o valor de uma parcela de financiamento é possível comprar imóvel pagando menos e em menos tempo se alugar e guardar a diferença. “As pessoas preferem financiar porque estão mais acostumadas ao financiamento.”

CARRO X UBER
Carro não é investimento. Para saber se vale a pena para você comprar um carro, é preciso considerar parcela, seguro, IPVA, gastos com combustível, garagem e manutenção, além da depreciação do veículo. Avalie também o valor que renderia se esse valor estivesse investido.
“Em mais de 50% dos casos, do ponto de vista financeiro, não vale a pena.”

ACABAR COM AS DÍVIDAS
Comece com a dívida mais cara (a que tem mais juros). Tenha uma estratégia para quitá-la: como refinanciar ou trocar uma dívida cara por uma mais barata. Depois, negocie diretamente com o banco, financeira ou cartão de crédito para tentar reduzir os valores.

CONHEÇA A OBRA

ME POUPE!
Editora Sextante